terça-feira, 21 de outubro de 2014

Irmã de Aécio se emociona ao falar de ataques do PT

A irmã do candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB), Andrea Neves
A irmã do candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB), Andrea Neves (Divulgação)


Andréa Neves, irmã e principal conselheira do presidenciável tucano Aécio Neves, se emocionou neste domingo ao falar da baixaria promovida pelo PT contra o tucano. “O que impressiona a cada um de nós é o absoluto descompromisso com a verdade e como dados são falseados. Cabe a cada um de nós manter o coração mais firme. E confiar no bom senso das pessoas. Essa campanha com tanta mentira, tanta calúnia, tanta infâmia que está sendo patrocinada pelo PT vai servir para alertar a população brasileira do que está por trás de tudo isso”, afirmou Andrea, que interrompeu a fala e ficou com os olhos marejados enquanto conversava com jornalistas antes de carreata de Aécio pela Praia de Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Como voluntária, Andréa foi presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), uma associação privada sem fins lucrativos ligada ao Governo de Minas Gerais, e isso motivou uma falsa acusação de “nepotismo” pela presidente-candidata Dilma Rousseff (PT). No debate do SBT, Aécio revidou e acusou o irmão de Dilma, Igor Rousseff, de ter sido funcionário fantasma na Prefeitura de Belo Horizonte durante a gestão de Fernando Pimentel (PT). “O que Aécio fez ali foi reagir ao tipo de calúnia, de massacre, de falar da nossa família com dados incorretos. Se fosse verdade, era outra questão que se colocava. Nossa família foi trazida para o debate político com base em mentiras. Não há nenhum caso de nepotismo em Minas Gerais. Isso quem diz é o Ministério Público. É fato”, afirmou Andréa, explicando que a campanha de Aécio não deve ficar mais ofensiva. (Daniel Haidar, do Rio de Janeiro)


Leia também:

Lula e Dilma pressionam a Rede Globo às vésperas do debate decisivo.

Todos sabem que a eleição pode ser decidida no debate da próxima sexta-feira, na Rede Globo. A audiência será recorde e o mau desempenho de um dos candidatos poderá fazer com que ele perca dois a três por cento dos votos, o que será fatal nesta eleição tão disputada. 

Por isso, depois de ofender a mãe de Aécio dizendo que ela não deu uma "educação de berço" para o filho, depois de chamar Aécio de "bêbado", "drogado", "playboyzinho" e "filhinho de papai", depois de mentir de forma insana sobre a família e o caráter de um político cujo único crime é querer ser Presidente da República, ontem Lula atacou diretamente a imprensa. Abaixo, um trecho do artigo escrito hoje em seu blog pelo jornalista Ricardo Noblat:

Lula foi além, ontem à noite, do limite da irresponsabilidade.

Em comício ao lado de Dilma em Itaquera, distrito da Zona Leste da capital paulista, ele falou mal da imprensa – até aí nada demais. É direito dele. E nada tem de original.

Mas a certa altura do seu discurso, ele citou os nomes dos jornalistas Miriam Leitão, do jornal O Globo, e de William Bonner, apresentador do Jornal Nacional da Rede Globo de Televisão.

- Daqui para frente é a Miriam Leitão falando mal da Dilma na televisão, e a gente falando bem dela (Dilma) na periferia. É o (William) Bonner falando mal dela no “Jornal Nacional”, e a gente falando bem dela em casa. Agora somos nós contra eles - ameaçou Lula.

As cerca de cinco mil pessoas reunidas para escutá-lo foram ao delírio. Mais tarde, no teatro da Universidade Pontifícia de São Paulo, no bairro de Perdizes, Lula voltou a criticar a imprensa. E a citar Míriam Leitão e a Rede Globo.

Não dá para afirmar que ele tenha bebido antes de discursar. Aparentava estar sóbrio. Dilma e líderes do PT que testemunharam os discursos de Lula sorriram com o que ele disse. Certamente não pensaram numa coisa – e se pensaram não deram importância.

A saber: Lula expôs dois jornalistas à ira dos seus seguidores fanáticos.

Com Lula, nada é por acaso. O objetivo é um só: constranger o mediador do debate, colocando o eleitorado do PT contra ele. Se Dilma for interrompida porque estourou o tempo, a culpa será de Willian Bonner. Se Dilma tiver um desempenho pífio, as suas deficiências serão creditadas a um golpe da Globo e do apresentador, que a deixaram nervosa e pressionada. A partir de ontem, Bonner está desafiado a provar, sendo mais duro com Aécio, que não está contra Dilma. Pelo menos este é o objetivo de Lula, com o seu ataque ao jornalista.

Por trás disso tudo, que não é um episódio, é uma campanha, está a meta de Lula de implantar o controle social da mídia, a exemplo dos países que fazem parte do Foro de São Paulo. Destruída a oposição, por uma máquina de assassinar reputações, o último passo será calar a Imprensa. Ontem Lula deu nome aos bois. Em várias oportunidades, nos últimos meses, ao conceder longas entrevistas aos blogs patrocinados pelo governo, de onde são propagadas as piores calúnias contra Aécio Neves, já havia feito referências semelhantes.

Lula deixa muito claro onde quer chegar.  Infelizmente, se Dilma vencer estas eleições, alcançará seu intento. As redações são majoritariamente bolivarianas e apoiarão. Os colunistas que ainda opinam contra o governo, estes serão dizimados. As empresas de comunicação serão perseguidas e varridas do mapa. A Venezuela e a Argentina moram ao lado. Só não enxerga quem não quer.

O EDITOR

Fonte: http://coturnonoturno.blogspot.com.br

Tesoureiro do PT citado no petrolão é delegado da campanha de Dilma

João Vaccari Neto, bancário, tesoureiro do PT,
ex-presidente da Bancoop, em 2010
(Sergio Dutti/AE/VEJA)
Documento obtido pelo site de VEJA mostra que João Vaccari Neto tem a função-chave de representar a candidata no Tribunal Superior Eleitoral (TSE.
Marcela Mattos, de Brasília 
Desde que o depoimento do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa veio a público, a campanha da presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) entrou em pânico: criou uma força-tarefa para evitar que as novas revelações causassem estrago no projeto de reeleição da petista, redobrou os ataques ao adversário Aécio Neves (PSDB) e barrou o depoimento do tesoureiro João Vaccari Neto à CPI da Petrobras. Não à toa: nove anos após o estouro do escândalo do mensalão, outro homem-forte responsável por cuidar das contas do partido aparece às voltas em um caso de corrupção, agora como o pivô de um esquema bilionário de lavagem de dinheiro. Paulo Roberto Costa afirmou que parte da propina desviada da estatal chegou às mãos de Vaccari.  “Dentro do PT, a ligação que o diretor de serviços tinha era com o tesoureiro na época do PT, o senhor João Vaccari. A ligação era diretamente com ele”. Ainda segundo o delator, dois terços da propina ficavam para o PT quando a diretoria era comandada pelo PP. Já nos setores diretamente controlados por petistas, a propina seguia diretamente para o caixa do partido.
A função de Vaccari, no entanto, vai além de cuidar do financeiro do PT: ele tem posto privilegiado no projeto eleitoral da presidente Dilma. Documento obtido pelo site de VEJA mostra que o tesoureiro foi nomeado delegado da campanha de Dilma e tem a função-chave de representar a candidata no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Tamanha é a autonomia que Vaccari, tem, inclusive, a prerrogativa de fazer petições e assinar as credenciais dos fiscais da coligação.

Ao lado dele estão outros quatro delegados – todos ocupam posições no projeto de reeleição de Dilma: o secretário-geral do PT, Geraldo Magela, deputado federal derrotado na única vaga ao Senado pelo Distrito Federal; o ex-presidente do diretório paulista do PT e tesoureiro da campanha, Edinho Silva; o ex-ministro do TSE, Arnaldo Versiani, e Luis Gustavo Severo, ambos responsáveis pela área jurídica da campanha.

Embora tenha sido apontado como a ponte para o recebimento da propina, o PT tem se mostrando reticente em afastar o tesoureiro. Ao contrário: saiu em defesa dele e processou Paulo Roberto Costa por difamação.

Durante debate entre os candidatos à Presidência realizado no último domingo, Dilma evitou se voltar contra Vaccari. Questionada por Aécio se confia no tesoureiro, a presidente tergiversou: “Da última vez que um delator denunciou pessoas do seu partido, no caso do metrô e da compra dos trens, o senhor disse que não ia confiar na palavra de um delator. Eu sou diferente. Eu sei que há indícios de desvio de dinheiro. O que ninguém sabe é quanto foi e quem foi. Isso é muito importante”, disse. 

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil 


segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Em Brasília, há passe livre para os egressos dos movimentos sindicais, principalmente se forem ligados ao PT....Vejam a Lista

O QUE SERÁ DELES SE A DILMA 
NÃO FOR ELEITA?
Os privilegiados: ação entre amigos. No Brasil, uma nova maneira de governar foi criada. Em Brasília, há passe livre para os egressos dos movimentos sindicais, principalmente se forem ligados ao PT. Para essas pessoas parece que as portas são mais largas e os caminhos menos sinuosos. Criou-se na capital federal a casta dos integrantes da República sindical brasileira. "Nunca antes na historia desse País" tantos ex-dirigentes sindicais ocuparam postos chaves no destino da Nação Brasileira. É sobre essas pessoas, o que faziam e o que estão fazendo agora que nós iremos falar.
1) Jair Meneguelli - torneiro mecânico e ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC? Alguém lembra dele? Pois bem, ele sumiu. Fomos procurá-lo. Sabe onde o encontramos? Hoje ele se encontra em Brasília. É Presidente do Conselho Nacional do Sesi e comanda um orçamento de R$ 34.000.000,00. Salário atual: R$ 25.000,00. Salário anterior (no tempo de sindicalista) R$ 1.671,61.

2) Heiguiberto Navarro - ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Encontramos também. Sabe onde? Em Brasília. Sabe o que ele faz hoje? É assessor do Secretário Nacional de Estudos e Políticas da Presidência da República. Gostaram do nome? Salário atual: R$ 6.396,00. É ele quem articula os eventos do Presidente Lula quando ocorrem fora do Palácio do Planalto. Recordando, ele é ferramenteiro e na época tinha um salário de R$ 1.671,61.

3) João Vacari Neto - bancário, ex-presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo. Também o encontramos. Adivinhe onde? Brasília? Certa a resposta! O que ele faz atualmente? É membro do Conselho Nacional de Itaipu. Ajuda a decidir sobre a alocação do orçamento de Itaipu, cerca de R$ 4.500.000.000, 00. Salário R$ 13.000,00. Antes o seu salário era de R$ 4.909,20.

4) Paulo Okamoto - fresador, ex-tesoureiro da CUT. Está sumido do noticiário, mas nós o encontramos. Sabe onde? Em Brasília? Certa a resposta! O que ele faz hoje? Presidente do SEBRAE. Salário R$ 25.000,00. Comada um orçamento de R$1.800.000.000,00. Salário anterior, quando era pobre: R$ 1.671,61.

5) Luis Marinho - pintor de veículos - ex-presidente da CUT. Lembram dele? Um doce para quem disser onde fomos encontrá-lo. Em Brasília? Certa a resposta. Estou devendo um doce para milhões de pessoas. O que é que ele está fazendo? Virou Ministro da Previdência Social. Salário R$ 8.363,80. Comanda um orçamento de R$ 191.000.000. 000,00. Anteriormente o seu salário era de R$ 1.620,40.

6) Wilson Santarosa - operador de transferência e estocagem, presidente do Sindicato dos Petroleiros de Campinas. Está no Rio de Janeiro. É gerente de comunicação da Petrobrás e membro do Conselho Deliberativo da Petros. Salário atual R$ 39.000,00 comanda um orçamento de R$ 250.000.000, 00. Salário anterior era de R$ 3.590,90.

7) João Antonio Felício - professor de Desenho e História da Arte e ex-presidente da CUT. É outro que está no Rio de Janeiro. É atualmente membro do conselho do BNDES, salário R$ 3.600,00 por reunião da qual participa, com direito a transporte, hospedagem mais ajuda de custo. É um dos responsáveis pela aprovação do orçamento do BNDES de R$ 65.000.000.000, 00. Tem sob sua responsabilidade opinar sobre sua destinação e acompanhar a execução. Salário anterior R$ 1.590,00.

8) Sergio Rosa - escriturário e ex-presidente da Confederação Nacional dos Bancários. Também se encontra em Brasília. É atual presidente do Previ, Fundo de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil. Salário atual de R$ 15.000,00. Comanda um orçamento de cerca de R$ 106.000.000, 00. Salário anterior R$ 4.500,00.

9) José Eduardo Dutra - geólogo, ex-presidente do Sindiminas de Sergipe, atual Sindipetro. Hoje, graças a Deus, se encontra em Brasília, onde é presidente da BR Distribuidora, com um mísero salário de R$ 44.000,00. Comandará, entre 2008 a 2012, um orçamento de R$ 2.600.000.000,00. Salário anteriorera de R$10.000,00

10) Wagner Pinheiros - analista de investimentos. Diretor da Federação dos Bancários de São Paulo. É outro que faz parte da Nova República. É presidente da Petros, Fundo de Pensão dos Funcionários da Petrobrás. Salário atual apenas R$ 44.000,00. Comanda um patrimônio de R$ 32.400.000.000, 00. Salário anterior: R$ 5.232,29. É bom frisar que o salário anterior era o salário percebido como dirigente sindical.

MILITANTES DO PT SERÁ QUE VOCÊS NÃO PERCEBEM O QUANTO VOCÊS FORAM USADOS ATÉ HOJE?

NENHUM DELES ESTÁ COM CARA DE OPERÁRIO NÃO! ESTÃO CADA VEZ MAIS PARA BOM VIVAM (Bom Vivant)

Revoltados ON LINE

Postado por: Marcello Reis

30 momentos em que Dilma e o PT censuraram ou dificultaram investigações e o acesso a informação

O Implicante traz uma breve lista com 30 dos exemplos mais recentes para provar que a realidade é bem diferente do programa eleitoral.

Na TV, a campanha petista, apostando na fraca memória do eleitor, vem defendendo que tanto escândalo em sua gestão junto ao governo federal só tem sido possível graças à liberdade dada por eles para que se investigasse todos os casos. Mas o Implicante traz uma breve lista com 30 dos exemplos mais recentes para provar que a realidade é bem outra. Ou seja, que a fala de Dilma em seu programa eleitoral não passa, na melhor das hipóteses, de devaneios de sua equipe de marketing. Na pior das hipóteses, de falha de caráter mesmo:

  1. Quando Dilma voltou a defender a regulação da mídia, o que é uma forma mais amena de falar em censura
  2. Quando o governo censurou uma empresa de consultoria de mercado
  3. Quando o governo pediu a demissão de um analista do Satander por críticas ao governo
  4. Quando o governo censurou o IBGE por pesquisa em que mostrava crescimento no desemprego
  5. Quando o governo pressionou o SBT para que censurasse os comentários da jornalista Sheherazade
  6. Quando Tarso Genro defendeu que 80% do conteúdo de rádio e TV deveria sair do ar
  7. Quando o governo tentou impedir que a imprensa usasse o termo “Mensalão”
  8. Quando os os gastos secretos da presidência ultrapassaram 17 milhões em 2012
  9. Quando o governo desautorizou informações sobre a meta fiscal e cortes do orçamento
  10. Quando Lula vetou a prestação de contas das centrais sindicais
  11. Quando o governo manteve o sigilo dos gastos com os cartões corporativos
  12. Quando o governo tornou siigilosos os gastos com investimentos feitos em Cuba e em Angola
  13. Quando o governo tornou sigilosos os orçamentos para a Copa e Olimpíadas
  14. Quando o governo tornou sigilosos os gastos de Dilma no Exterior
  15. Quando os gastos de “Rose” foram considerados reservados
  16. Quando removeram a delegada que apurava ligação de Lula com o mensalão
  17. Quando barraram na justiça investigação sobre contratos suspeitos da Petrobras
  18. Quando computadores do planalto alteraram perfis de críticos do governo na Wikipedia
  19. Quando pagaram em dólar para silenciar chatagistas que prometiam soltar verdades sobre o governo
  20. Quando o governo retirou do ar perfil humorista que, diferentemente da Dilma Bolada, fazia uma paródia crítica ao governo
  21. Quando Dilma disse achar um absurdo o TCU paralisar obras superfaturadas
  22. Quando manobraram tentando evitar que os mensaleiros fossem para presídios federais
  23. Quando Dilma demitiu o diretor da Caixa Econômica por apoio a seus opositores
  24. Quando Lula manobrou para que Dilma não fosse reponsabilizada pelo prejuízo em Pasadena
  25. Quando o governo censurou o IPEA que traria dados negativos sobre o governo
  26. Quando a campanha de Dilma retirou do ar vídeo que mostrava carteiro entregando panfletos de Dilma
  27. Quando Lula se nega a dar depoimento sobre o Mensalão
  28. Quando Dilma defendeu que não caberia à imprensa o papel de investigador
  29. Quando o governo alterou dados do PAC para esconder atrasos
  30. Quando o governo fez da CPI da Petrobras um verdadeiro teatro

    Fonte: http://www.implicante.org/blog

Mandamentos intocáveis

 Côn. José Geraldo Vidigal*
A celeuma provocada por notícias advindas durante 3ª Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos em Roma atinentes a homossexualismo marginalizou uma verdade fundamental, ou seja, que os mandamentos de Lei Divina são intocáveis.
 
A discussão sobre o problema dos chamados gays sob o ponto de vista da caridade, de um acolhimento fraterno é um aspecto, outro completamente diferente é que a Igreja jamais poderá acobertar o pecado. Portanto, não há como aceitar uma convivência pecaminosa entre os homossexuais. Que possa haver uma amizade de apoio entre tais pessoas humanas é um caso a ser estudado em profundidade, mas não há nunca como passar recibo a qualquer atitude que viole o sexto e o nono mandamentos do Decálogo. Esta verdade deve ser firmada claramente e sem subterfúgios e cumpre não se dar fé às notícias manipuladas e veiculadas pela imprensa. Há uma passagem de São Paulo na carta aos Coríntios que não pode ser esquecida: “ Não vos enganeis: nem os fornicadores, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os que se dão à embriaguez, nem os maldizentes, os ladrões possuirão o reino de Deus” (6,9-10). Toda atitude negativa, porém, que caracteriza a homofobia, o que pode levar e tem levado a agressões condenáveis, deve ser combatida. Em tudo isto, contudo, vale o preceito de Cristo: “Seja o vosso sim, sim e o vosso não, não” (Mt 5,37). Não é possível a simbiose entre o bem e o mal, entre o certo e o errado. O que é preciso no mundo de fantasias sexuais no qual se vive é viver em plenitude o significado da castidade. Esta, aliás, vale para os solteiros, os casados e, evidentemente, para todas as pessoas consagradas a Deus na vida religiosa. Jesus afirmou: “Bem-aventurados os puros porque eles verão a Deus” (Mt 5, 8). Em síntese o sexto mandamento prescreve a pureza de corpo, de mente e de coração. As tendências carnais não são em si nem humilhantes, nem degradantes, mas devem ser direcionadas segundo os planos divinos. O sexo foi criado para o casamento, ou seja, para a propagação da espécie. Tal a ordem de Deus: “Crescei e multiplicai-vos” (Gn 1,28). O homem participa do poder criador de Deus. A desordem introduzida pelo pecado original, porém, causou as paixões desregradas que oprimem e subjugam. Daí o domínio da concupiscência e o império da irracionalidade. Há então um liame profundo entre a temperança e castidade, que leva à observância do sexto mandamento. A castidade significa a integração perfeita da sexualidade na pessoa e daí a unidade interior do homem no seu ser corporal e espiritual. O mundo corporal e biológico deve se integrar ao ser espiritual, à pessoa humana que é um corpo enformado pela alma. Há três estados de castidade: a virginal, ou seja, as dos que fazem votos de castidade perfeita e jamais pecaram sexualmente; a matrimonial, própria das pessoas casadas e a penitente, isto é, a dos que, tendo perdido a virgindade a recuperam pela penitência e sabem reparar os seus pecados com o firme propósito de emenda. A temperança submete o instinto à razão e conduz à castidade. Trata-se da continência ou governo de si mesmo. É uma luta de toda a vida. É um esforço pessoal ininterrupto na busca da santidade existencial. A pudicícia é a guarda da castidade e é um sentimento de vergonha, de mal-estar, gerado pelo que pode ferir a decência, a honestidade ou a modéstia; pejo diante do que fere o decoro. Portanto, trata-se não de negar, mas de regular a sexualidade. São aspectos basilares o senso da desonra, dado que o homem é um ser racional, e o senso do pudor, uma vez que o batizado é o Templo do Divino Espírito Santo. Partes potenciais da temperança e castidade são o decoro no porte e nos gestos, o equilíbrio nas diversões, que não devem ser torpes, e a modéstia nas vestes e nos enfeites. O sexto mandamento proíbe todo pecado de luxúria, de busca de prazeres carnais fora do matrimônio; os pecados internos, a saber, maus pensamentos, maus desejos (Mt 15,19. 27-28). Além disto, proíbe todos os atos impudicos: olhares, beijos, carícias, conversas que excitam e levam ao pecado, bem como as leituras inconvenientes, os espetáculos impuros, como determinadas danças, a concubinagem, o estupro, o incesto, a masturbação, o homossexualismo, a sodomia, a bestialidade, as perversões sexuais, a luxúria em geral, ou seja, desejo do prazer, a fornicação, isto é, a união carnal entre sexos opostos, a pornografia, a prostituição. Os remédios espirituais são a oração; viver na presença de Deus; fuga das ocasiões de pecado; mortificações; evitar toda ociosidade que é a mãe de todos os vícios. Deste modo se pratica a castidade que é o esplendor das almas fortes, corajosas e amantes da virtude. A sexualidade afeta todos os aspectos da pessoa humana na unidade de seu corpo e de sua alma e, por isto mesmo, não pode ser supressa, mas tem que ser governada com a graça divina.
* Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos

domingo, 19 de outubro de 2014

Aécio vai à Justiça processar Dilma por injúria e difamação


Fernando Rodrigues
Novo comercial da petista sugere que tucano tem “dificuldades em respeitar as mulheres”

O candidato do PSDB a presidente, Aécio Neves, decidiu neste sábado (18.out.2014) processar sua adversária no segundo turno, Dilma Rousseff por “por injúria e difamação”, segundo informou a assessoria do tucano.

A razão que levou Aécio a decidir processar Dilma foi o mais novo comercial da petista, que foi ao ar hoje. Trata-se de uma peça de 30 segundos no qual um locutor diz que “Aécio tem mostrado dificuldades em respeitar as mulheres”.

A campanha tucana também está entrando ainda hoje, neste sábado, no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para requerer a retirado comercial dilmista do ar.

Eis, a seguir, o filme de 30 segundos no qual o marketing de Dilma escolhe cenas de Aécio falando de forma dura contra Luciana Genro (PSOL) e contra a própria petista, e termina perguntando se “você acha que um candidato a presidente pode agir desta maneira?'': https://www.youtube.com/watch?v=dieSLRCXsNQ.