terça-feira, 25 de novembro de 2014

POLICIA FEDERAL COMPROVA ENVOLVIMENTO DE LULA E DILMA NO PETROLÃO.

E-mails provam que Lula e Dilma poderiam ter interrompido o propina das Empreiteiras da Petrobras. O doleiro Alberto Youssef disse à Justiça que Lula e Dilma sabiam do esquema de corrupção na Petrobras. Agora, mensagens encontradas pela PF em computadores do Planalto mostram que eles poderiam ter interrompido o propinoduto, mas, por ação ou omissão, impediram a investigação sobre os desvios.

Antes de se revelar o pivô do petrolão, o maior escândalo de corrupção da história contemporânea brasileira, o engenheiro Paulo Roberto Costa era conhecido por uma característica marcante. Ele era controlador e centralizador compulsivo. À frente da diretoria de Abastecimento e Refino da Petrobras, nenhum negócio prosperava sem seu aval e supervisão direta. Como diz o ditado popular, ele parecia ser o dono dos bois, tamanha a dedicação. De certa forma, era o dono — ou, mais exatamente, um dos donos —, pois já se comprometeu a devolver aos cofres públicos 23 milhões de dólares dos não se sabe quantos milhões que enfiou no próprio bolso como o operador da rede de crimes que está sendo desvendada pela Operação Lava-Jato. Foi com a atenção aguçada de quem cuida dos próprios interesses e dos seus sócios que, em 29 de setembro de 2009, Paulo Roberto Costa decidiu agir para impedir que secassem as principais fontes de dinheiro do esquema que ele comandava na Petrobras. Costa sentou-se diante de seu computador no 19º andar da sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, abriu o programa de e-mail e pôs-se a compor uma mensagem que começava assim: “Senhora ministra Dilma Vana Rousseff...”.

O que se segue não teria nenhum significado mais profundo caso fosse rotina um diretor da Petrobras se reportar à ministra-chefe da Casa Civil sobre assuntos da empresa. Não é rotina. Foi uma atitude inusitada. Uma ousadia. Paulo Roberto Costa tomou a liberdade de passar por cima de toda a hierarquia da Petrobras para advertir o Palácio do Planalto que, por ter encontrado irregularidades pelo terceiro ano consecutivo, o Tribunal de Contas da União (TCU) havia recomendado ao Congresso a imediata paralisação de três grandes obras da estatal — a construção e a modernização das refinarias Abreu e Lima, em Pernambuco, e Getúlio Vargas, no Paraná, e do terminal do Porto de Barra do Riacho, no Espírito Santo. Assim, como quem não quer nada, mas querendo, Paulo Roberto Costa, na mensagem à senhora ministra Dilma Vana Rousseff, lembra que no ano de 2007 houve solução política para contornar as decisões do TCU e da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional.

Também não haveria por que levantar suspeitas se o ousado diretor da Petrobras que mandou mensagem para a então ministra Dilma Rousseff fosse um daqueles barnabés convictos, um “caxias”, como se dizia antes nas escolas e no Exército de alguém disposto a arriscar a própria pele em benefício da pátria. Em absoluto, não foi o caso. Paulo Roberto Costa, conforme ele mesmo confessou à Justiça, foi colocado na Petrobras em 2004, portanto cinco anos antes de mandar a mensagem para Dilma, com o objetivo de montar um esquema de desvio de dinheiro para políticos dos partidos de sustentação do governo do PT. Ele estava ansioso e preo­cupado com a possibilidade de o dinheiro sujo parar de jorrar. É crível imaginar que em 29 de setembro de 2009 Paulo Roberto Costa, em uma transformação kafkiana às avessas, acordou um servidor impecável disposto a impedir a paralisação de obras cruciais para o progresso da nação brasileira? É verdade que às vezes a vida imita a arte, mas também não estamos diante de um caso de conversão de um corrupto em um homem honesto da noite para o dia.

Fonte: http://g1neews.blogspot.com.br/

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Papa recebe Aliança Evangélica e elogia esforços ecumênicos

Na manhã de quinta-feira, 06/11, o Papa recebeu um grupo de membros da Aliança Evangélica Mundial. Fundada em 1951 por cristãos de 21 países, a AEM é uma estrutura global que reúne 160 milhões de cristãos evangélicos em 111 países.

«A vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo, que se entregou por nossos pecados, para nos libertar da perversidade do mundo presente, segundo a vontade de Deus, nosso Pai» (Gal 1,3-4).

Com esta citação do Apóstolo Paulo, o Papa iniciou seu breve discurso aos membros da Aliança, na Biblioteca do Vaticano. Depois de reiterar que a realidade da unidade da fé tem seu fundamento no Batismo – dom divino que temos em comum – Francisco recordou ainda uma verdade fundamental e consoladora:

“O Senhor sempre nos precede com o seu amor e sua graça. Precede as nossas comunidades; antecipa e prepara os corações daqueles que anunciam o Evangelho e daqueles que o acolhem”.

Desde o início, sempre houve divisões entre os cristãos, e ainda hoje, infelizmente, persistem rivalidades e conflitos; uma situação que, segundo o Papa, enfraquece a nossa capacidade de cumprir o mandamento de pregar o Evangelho a todas as nações.

“A realidade de nossas divisões deturpa a beleza da túnica inconsútil de Cristo, mas não destrói completamente a profunda unidade gerada pela graça em todos os batizados”, disse Francisco, mencionando o decreto sobre o ecumenismo ‘Unitatis redintegratio’, do Concílio Vaticano II. “Certamente a eficácia do anúncio cristão seria maior se os cristãos superassem suas divisões, celebrassem os Sacramentos e testemunhassem a caridade juntos”.

O Papa se disse satisfeito pelos esforços conjuntos do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e da Comissão Teológica da EAM, pois esclareceram os mal-entendidos e abriram caminhos para superar preconceitos.

Terminando, Francisco se disse confiante que o Espírito Santo inspire na Igreja a coragem para perseverar e tentar novos métodos de evangelização: “Que esta nova etapa no relacionamento entre católicos e evangélicos permita realizar plenamente a vontade do Senhor de levar o Evangelho até os extremos confins da terra”, concluiu, pedindo orações de todos para si e seu ministério.

O Brasil e a Aliança Evangélica Mundial

Os brasileiros, reverendo Bertil Ekstrom, diretor executivo da Comissão de Missão, e a diretora executiva da Comissão Teológica da Aliança, Rosalee Ewell, falaram sobre o encontro com o Papa à nossa colega Dulce Araújo.

Fonte: Rádio Vaticano

Local: Cidade do Vaticano

FHC: “Dilma se sente ilegítima, mesmo após reeleita”

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou, no último sábado (15), que a presidente Dilma Rousseff se sente “ilegítima”, mesmo após a reeleição. Segundo ele, os motivos seriam as várias crises simultâneas enfrentadas pelo Brasil sob sua gestão.

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo desse domingo (17), durante participação no Festival Piauí de Jornalismo, FHC lamentou o quadro político brasileiro. “A crise é grande. Não é uma crise, são várias crises ao mesmo tempo. Você tem a sensação de uma presidente que ganha a eleição, mas se sente ilegítima. Não é sua culpa, mas se sente”.

Para o tucano, o “jogo político” petista é “mal organizado”. “Nunca vi um presidente demitir o ministro da Fazenda no ar. O ministro continua, não tem outro, gera incerteza”, criticou. Barganha

Fernando Henrique afirmou também que as crises são reflexo da falta de alternativa ao “sistema de barganha” entre o governo e os 22 partidos do Congresso, – serão 28 a partir de janeiro – a área energética e até o fortalecimento da direita.

“Há um processo de criação de núcleos de direita que não tem a ver com o PSDB, com o Aécio. Houve a instigação nesse sentido pela obsessão do PT em dividir: nós e eles, nós e eles'”, disse.

Para o tucano, “não está claro o futuro em matéria institucional e, em consequência, a capacidade de conduzir o país no mundo, que está mudando tão rapidamente”, concluiu.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Barrocas-Ba: Profissionais da Saúde param atividade alegando falta de pagamento de salários

Motoristas, enfermeiras, técnicas em enfermagem, recepcionista, médico, dentista e auxiliar de serviços gerais decidiram parar as atividades até o pagamento do seus vencimentos, a paralisação aconteceu na manhã da quarta-feira (19).

Os profissionais alegam que a Secretária de Saúde e Prefeitura Municipal de Barrocas não cumprem com os pagamentos em dia, e estão desde inicio do mês sem receber, segundo um dos servidores o pagamento deveria cair em conta no dia 5 de novembro. Em reunião que contou com a presença do Prefeito o Secretario de saúde disse que problemas na internet causados pela chuva internet e referente a cadastros e dotação causaram o transtorno.

Os PSF’s da cidade foram afetados, pela manhã praticamente nenhum funcionou como deveria. Os profissionais lamentam a paralisação; “Queríamos estar trabalhando, mas estamos sem receber, ficamos muitos dias trabalhando (14 dias) para que a população não ficasse prejudicada”.
Tanto o prefeito como o Secretário pediram desculpas pela situação,
mas também compreensão dos profissionais 

O Prefeito Municipal Almir de Maciel e Secretario de Saúde Gerival Moreira provocaram a reunião na busca pela normalização dos atendimentos e serviços haviam sido suspensos; “Diante da dificuldade de dotação orçamentaria se pagava pela fonte 14 e transferi-o pra fonte 15, e precisamos fazer a contenção de despesa”. Disse o Gestor tentando explicar os motivos do atraso de 14 dias; “Na sexta choveu e tivemos problema com internet, segunda-feira encontramos o problema das fontes” disse Gerival.

Na terça-feira 12 de novembro houve outro protesto, na ocasião moradores do Povoado de Nova Brasília protestaram contra a redução do atendimento no PSF4. Comenta-se que o Posto de Saúde de Santa Rosa será inaugurado este ano, porém profissionais que falaram com nossa equipe temem pela falta de atendimento adequado, já que os atuais passam por dificuldades para atender a população?

Voltando aos pagamentos, tanto o Prefeito como o Secretário garantiram que ontem mesmo até o meio dia os valores estariam nas contas dos profissionais da saúde que mesmo diante do compromisso disse que só retomariam às atividades após o pagamento.

Preocupados com um novo atraso os profissionais já avisaram que em dezembro, caso o pagamento não seja efetivado até o dia 5, uma nova paralisação irá acontecer imediatamente.

@ Nossa Voz - Por Victor Santos

Publicada por Rubenilson Rubem

A ajuda dos americanos pode garantir o final exemplarmente feliz de um filme sobre o Petrolão: nenhum bandido escapa da cadeia

Imagem: Google

“A Petrobras é como a Seleção, um símbolo do Brasil em qualquer lugar do mundo”, disse Lula em 2007. ”Com o pré-sal, a Petrobras vai ser uma das empresas mais fortes do mundo”, avisou em 2008. “Eles querem privatizar a Petrobras porque nunca antes neste país o Brasil teve uma potência conhecida no resto do mundo”, festejou em 2009. “Eles não se conformam com o governo de um nordestino que fez a Petrobras ser respeitada no mundo inteiro”, cumprimentou-se em 2010, pouco antes de entregar a Dilma Rousseff uma estatal infestada de incompetentes, gatunos e vigaristas.

A presença da palavra mundo em todas as frases acima reproduzidas informa que o ex-presidente é um megalomaníaco sem cura. As quatro falácias entre aspas identificam um governante sem compromisso com a verdade. A soma das duas disfunções confirma aos berros que um farsante patológico foi presidente da República durante oito anos e continua exercendo os poderes de único deus da seita que se apossou do governo. O Brasil Maravilha registrado em cartório só existe na cabeça baldia do chefe supremo e nos cérebros semidesertos de sacerdotes e devotos.

Até o começo do século, a Petrobras foi marcada pela solidez financeira e pela eficiência administrativa. Em 12 anos, o governo lulopetista reduziu a empresa a um viveiro de corruptos. O colosso inventado pelo palanque ambulante só figurou entre os campeões dos petrodólares na imaginação dos nacionalistas de galinheiro. A empresa admirada no mundo inteiro nunca produziu barris suficientes para assombrar o mundo. Mas conseguiu produzir um caso de polícia que vai, agora sim, torná-la mundialmente conhecida.

O que já se sabe do Petrolão comprova que em nenhuma empresa do ramo um bando de delinquentes roubou tanto, por um período de tempo tão longo e com tamanha desfaçatez. Com a entrada em cena do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a história tem tudo para virar roteiro de um filme. Semanas a fio, multidões de brasileiros lotarão as salas de cinema do país inteiro. Ninguém vai perder a chance de ovacionar o final exemplarmente feliz: graças à ajuda dos investigadores americanos, nenhum bandido ─ nenhum ─ escapa da cadeia.

Dom Itamar Vian recebe representante do Papa em comemoração aos seus 30 anos de episcopado

Dom Itamar Viana. (Foto: Arquidiocese Feira de Santana)

A Arquidiocese de Feira de Santana, na Bahia, rende graças a Deus pelos 30 anos de Episcopado do Arcebispo Dom Itamar Vian, que serão completados no dia 22 de novembro. A ocasião será marcada por uma Missa, presidida pelo Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giovanni D’Aniello, na Igreja de Santo Antônio – Capuchinhos (avenida Presidente Dultra – Feira de Santana), às 16h.

A Missa também celebra os dez anos de instalação da Faculdade Católica de Feira de Santana e os dez anos do Seminário Maior Sant’Anna Mestra. Os paroquianos da cidade conhecida como “Princesa do Sertão” também estarão em festa com a visita do Núncio Apostólico, entre os dias 21 e 23 deste mês. Confira a programação completa da visita!

Dia 21 de novembro
17h30 – Recepção no Seminário Sant’Ana Mestra – diretores e seminaristas dos seminários da Província Eclesiástica;
19h30 – Missa na Igreja Cristo Redentor – Jomafa.
Dia 22 de novembro
8h – Coletiva com a imprensa – Sala de Comunicação – Centro Paroquial Santana;
9h – Visita à Faculdade Católica e aos seminários das Dioceses: Feira de Santana, Barra, Irecê, Serrinha, Paulo Afonso, Juazeiro e Rui Barbosa. Visita às Irmãs Clarissas e ao mosteiro, em construção, o primeiro no Estado da Bahia;
10h30 – Encontro com bispos, padres, diáconos e seminaristas;
11h45 – Reunião com os bispos da Província Eclesiástica;
12h30 – Seminário Sant’Ana Mestra com bispos, padres, diáconos e seminaristas;
16h – Missa e, ação de graças pelos trinta anos de Episcopado de Dom Itamar Vian e pelos dez anos da Faculdade Católica e Seminário Maior Santana Mestra, na igreja Santo Antônio – Capuchinhos;
19h- Colégio Padre Ovídio. 
Dia 23 de novembro
7h – Missa na Catedral Metropolitana Senhora Sant’Ana – Abertura do Ano dedicado à Vida Consagrada; 8h30 – Residência do Arcebispo Dom Itamar Vian;
9h30 – Palestra para casais e jovens no auditório do Colégio Padre Ovídio;
11h30 – Seminário SantAna Mestra – Despedida.

O impeachment da Presidente parece ser questão de tempo

Por Bernardo Santoro, publicado no Instituto Liberal
A Operação Lava-Jato, feita pela Polícia Federal, cada vez mais se parece com a Operação Mãos Limpas, feita na Itália na década de 90 contra a máfia lá instalada, que resultou em uma profunda reforma política e a extinção de vários grandes partidos italianos.

Vários pequenos operadores da Petrobras já chegaram a acordos de delação premiada que resultarão na devolução de quase meio bilhão de reais aos cofres públicos. Além deles, outros dois ex-funcionários já fizeram acordos parecidos. Paulo Roberto Costa devolverá 70 milhões de reais e Pedro Barusco inacreditáveis 250 milhões de reais. Já está provada a implicação de mais de 100 políticos no esquema, dentre três partidos da base governista: PT, PP e PMDB. A maior parte desses negócios foi feita sob a tutela da Presidente Dilma Rousseff, seja no próprio cargo executivo máximo da república, seja como Presidente do Conselho de Administração da Petrobras.

Com o fim das investigações e sua publicização, restará evidente que o impeachment da Presidente Dilma não será uma questão de “se”, mas de “quando”. E o “quando”, adianto, não será agora. O colunista do Globo, Merval Pereira, escreveu no Globo que tem essa mesma sensação, e que as manifestações pelo impeachment não são um golpismo, e sim apenas um movimento deslocado no tempo. Daqui a três ou seis meses essas passeatas realmente terão significado, especialmente quando soubermos a extensão da implicação do Palácio do Planalto nas operações.

Com a Presidente afastada e o Vice-Presidente Michel Temer assumindo, fica a seguinte pergunta: e daí, o que muda de fato?

Essa é uma pergunta pertinente, pois ainda não sabemos que tipo de força política vai emergir dessa ruptura política. Na Itália, ascendeu ao poder um representante pervertido e estatista do empresariado, Silvio Berlusconi. Quem vai assumir a dianteira do processo político?

Se liberais e conservadores tomarem posse dessa liderança e estabelecerem a agenda política brasileira com redução do aparelho estatal, desburocratização, responsabilidade fiscal e redução da carga tributária, haverá uma real mudança. Mas tanto o movimento liberal quanto o conservador são bastante restritos no campo político ainda, embora estejam crescendo com vigor. O movimento psolista também cresce a olhos vistos, mas não tem presença política nacional relevante.

Por isso, a ordem natural do processo político será a substituição de um grupo político autoritário e patrimonialista por outro com mesma identidade ideológica e sem compromisso com reais mudanças institucionais no país. É bem possível que, neste momento, a direita que está indo às ruas para ser humilhada por jornalistas venais esteja, na verdade, fazendo o jogo de pessoas sem compromisso com um Brasil sustentável e livre. Mas isso não pode nos impedir de continuar a lutar pelo que é certo. O impeachment será muito bom quando for atingido, mas a verdadeira revolução está no dia-a-dia dos movimentos pela liberdade, seja no próprio campo político, como no acadêmico e no econômico.

E 2018 já é logo ali.