sábado, 25 de abril de 2015

A CARROÇA SEGUE MANTENDO A TRADIÇÃO NO MUNICÍPIO DE BARROCAS

A carroça segue como meio de transporte no pequeno município de Barrocas

Quem não se recorda daquele tempo em que o principal meio de transporte em nossa região era a carroça tracionada pelo jegue. O movimento diminuiu bastante mas elas ainda são vistas circulando pelo município.
As carroças usadas nos trabalhos de agricultura, eram vistas em grande quantidade na cidade, principalmente nos dias de sábado, dia de feira livre em Barrocas.
As famílias que viviam nos povoados, na Zona Rural do município vinha à cidade nas carroças, enquanto faziam às compras, elas ficavam paradas em baixa das árvores ou em locais apropriados, uma espécie de estacionamento de carroças e jegues.
Atualmente já não vemos tantas famílias se deslocando para a sede com a carroça, até mesmo na zona rural não é tão comum encontra-las, porém elas não estão extintas.
Atualmente na cidade elas são usados para carreto de mercadorias, materiais agrícolas e água para construções.
Na manhã da sexta-feira (17) nossa equipe foi em busca de pessoas que trabalham com caroças tanto na sede como na zona rural, falamos com três homens que utilizam a carroça e dizem não trocar o trasporte por nada.
O Sr. Antonio de Fostina praticamente abandonou o trecho pra trabalhar na roça junto a sua carroça.
Aguardando para retornar para o Povoado de Baraúna do Rumo onde mora, o Sr. Antonio de Fostino, 66 anos, contou que já têm mais de 20 anos trabalhando como carroceiro, segundo ele não só trabalha, como passeia e utiliza a carroça na roça. Antonio preferiu abandonar o trecho para morar em definitivo no município, desde então a carroça é seu ganha pão, com ela ele trabalhar para si próprio; “faço de tudo com a carroça, tanto que trabalhei uns anos no trecho então decidi parar de ser mandado e trabalhar para mim mesmo”, comentou.
Mesmo com as facilidades dos novos meios de transporte, Antonio de Fostino mantém suas idas e vindas na cidade com a carroça, trabalhar com este instrumento para ele é algo que o agrada muito; “não paro e não largo a carroça”, diz.
O Sr. Borrola transita entre carros e motos constantemente com sua carroça 

Na BR349, trecho entre Barrocas e o Bairro do Cedro encontramos o Sr. José Oronides Santos, 60 anos, conhecido como Borrola, morador da Queimada Bezzera, região da Boa União. O agricultor retornava das compras na Feira Livre do centro da cidade como era comum no passo. Uma tradição da que ele mantém até os tempos atuais, mesmo dividindo estrada com carros, motos e caminhões ele viaja tranquilo pela via;
“Eu não largo a carroça de jeito nenhum, eu faço tudo com ela, trabalho na roça, venho buscar feira. Há anos vindo para Barrocas e retornando para sua casa afirma gostar de carroça e de animais; “esse jegue cuido bem pra me ajudar no dia-a-dia” afirma.
Com a carroça o Sr. Couto tem uma renda extra
Para o Sr. Martins Paulo dos Santos, 67 anos, popular, Seu Couto, fazer frente e levar mercadorias é uma forma de ajudar na renda da família; “consigo um dinheiro no frente, aqui mesmo no centro uma viajem é R$5 reais cada”. Quando não está trabalhando com a carroça, seu genro dá seguimento aos trabalhos. Apesar de ter comprado o transporte há apenas dois anos o senhor Couto garante que não trocar por veículo nenhum.
O Sr. Couto seguiu para levar o frete para sua cliente.

O carroceiro contou que com o movimento da feira livre os fretes aumentam, ele faz ponto no centro de abastecimento onde o encontramos, no memento ele partia com a carroça levando mercadorias de uma senhora que revenderá os produtos adquiridos na feira em seu ponto.

@ Nossa Voz  

Por Victor Santos e Rubenilson Nogueira 


Publicada por Rubenilson Rubem

Três revelações da matéria de capa da VEJA



Léo Pinheiro entrega Lula. 
Saiba três revelações da matéria 
de capa da VEJA

Três pedaços da bomba atômica de VEJA deste fim de semana já vazaram.

Saboreie como entrada:

1) Induzido por Lula, o empreiteiro Léo Pinheiro, presidente da OAS, mandou reformar o sítio que está em nome de um sócio do filho Lulinha, mas que Lula diz ser seu.

2) Léo Pinheiro recebeu de um emissário de Lula a missão de arranjar serviço e dinheiro para o marido de Rosemary Noronha, a amante de Lula que ameaçava contar tudo que sabia dos esquemas do petista após ser abandonada.

3) Léo Pinheiro conta como Lula virou dono do tríplex no edifício Solaris, no Guarujá (SP), em uma das oito obras assumidas pela OAS depois da quebra em 2006 da Bancoop, então presidida por João Vaccari Neto.

Lula é empurrado para o pântano do Petrolão


No mais cruel dos dias para quem tem culpa no cartório, revelações do empreiteiro amigo empurram Lula para o pântano do Petrolão

Neste sábado, os leitores de VEJA saberão que o empreiteiro Leo Pinheiro, transferido da presidência da OAS para uma cadeia em Curitiba, fez revelações suficientes para tirar de vez o sono de Lula e estender por prazo indeterminado o sumiço do palanque ambulante. Como ainda não assinou um acordo de delação premiada, o empresário encarcerado talvez até se desminta em outro depoimento, para socorrer o chefe e amigo. É uma opção de alto risco: essa demonstração de fidelidade lhe custará alguns anos de prisão em regime fechado.

Seja qual for o caminho escolhido, o que Pinheiro já disse (e detalhou em copiosas anotações manuscritas) basta para incorporar ao elenco do Petrolão o protagonista que faltava. No mais cruel dos dias para quem tem culpa no cartório, as relações promíscuas entre o manda-chuva da OAS e o reizinho do Brasil serão escancaradas nas oito páginas da reportagem de capa. Entre tantas histórias muito mal contadas, a dupla esbanja afinação especialmente em três, valorizadas pela participação de coadjuvantes que valorizam qualquer peça político-policial.

Num episódio, o ex-presidente induz Pinheiro a presenteá-lo com a reforma do sítio que, embora Lula o chame de seu, pertence oficialmente a um sócio do filho Lulinha. Noutro, um emissário do pedinte vocacional incumbe o empreiteiro de arranjar serviço e dinheiro para o marido de Rosemary Noronha, a ex-segunda-dama que ameaçava vingar-se do abandono com a abertura de uma assustadora caixa-preta. Mais além, o comandante da OAS cuida de desmatar o atalho que levou Lula a virar dono de um triplex no Guarujá.

A participação do ex-presidente no naufrágio da Petrobras ainda não entrou na mira da Polícia Federal. O inventor do Brasil Maravilha está a um passo do pântano sem que tenha começado a devassa das catacumbas malcheirosas que ocultam a farra das refinarias inúteis e a montagem da diretoria infestada de ineptos e corruptos, fora o resto. Pode estar aí a explicação para o estranho vídeo em que celebra as vantagens de um bom preparo físico. Vai precisar disso quando tiver de sair em desabalada carreira.

Presidente da OAS entrega Lula


Bomba atômica: 
Presidente da OAS entrega Lula.



Léo Pinheiro, presidente da OAS, preso na Operação Lava Jato, está pronto a entregar Lula à Justiça. Praticamente já entregou. É a capa da Veja.


Em 2 de março, O Antagonista antecipou que a OAS poderia explodir, dado o desespero de seu dono e fundador, César Mata Pires.

Leiam o que escrevemos:

"César Mata Pires, fundador da OAS, é um homem desesperado. A sua empreiteira está afundando depois de deflagração da Operação Lava Jato. Desesperado e amargurado com a Odebrecht, com quem mantinha, digamos, acordos bastante lucrativos. Ele foi aconselhado a ameaçar Lula, como contaremos a seguir.

No dia 20 de fevereiro, reproduzimos aqui que César Mata Pires procurou Marcelo Odebrecht, diretor-presidente da dita-cuja, para saber como era possível que a empreiteira comandada pelo menino não tivesse ninguém preso. Na mesma conversa, ele disse que não estava preocupado em salvar a própria pele, mas que não deixaria os seus herdeiros pagarem por "erros cometidos em equipe" - menção a lambanças cometidas pela OAS com a cumplicidade da Odebrecht, que até agora vem se safando. A informação foi tirada de uma reportagem publicada pelo Estadão, cujo tema principal eram os encontros de Lula e Paulo Okamotto com empreiteiros à beira de um ataque de nervos. Ao jornal, a Odebrecht negou o encontro e a OAS saiu-se com uma evasiva.

O Antagonista resolveu apurar os desdobramentos dessa história e descobriu que César Mata Pires procurou também Emílio Odebrecht, pai de Marcelo e presidente do Conselho de Administração da empresa. O encontro foi na ilha de Kieppe, na baía de Camamu, no sul da Bahia, de propriedade dos Odebrecht. O dono da OAS formulou a mesma pergunta a Emílio: como era possível que a empreiteira dele não tivesse ninguém preso, ao passo que a sua estava com toda a diretoria em cana. E acrescentou: o que eu posso fazer para salvar a OAS?

A resposta de Emilio Odebrecht foi: "Procure Lula".

Emílio contou-lhe então que, temendo pela prisão de Marcelo, foi direto ao ponto com o petista. Emílio Odebrecht disse a Lula o seguinte: "Se for preso, o Marcelo não aguentará a pressão: ele vai abrir a boca e contará tudo o que sabe sobre as suas relações com a Odebrecht."

O Antagonista revelou que Lula interferiu para que Renato Duque fosse solto, depois de ser ameaçado pela mulher do ex-diretor da Petrobras, operador do PT na estatal. Não se sabe se Lula moveu um dos seus tentáculos para manter, até o momento, graúdos da Odebrecht fora da prisão. Não se está insinuando, aqui, nada contra a Justiça. O empenho dos procuradores da Lava Jato em incriminar a empreiteira é grande, assim como o do juiz Sergio Moro. A nossa impressão é de que a Odebrecht será pega no momento certo pelos bravos paranaenses.

O único fato da nossa apuração -- e fato assombroso, por mais que conheçamos as relações promíscuas entre a Odebrecht e Lula -- é que Emilio Odebrecht ameaçou Lula e recomendou a César Mata Pires que fizesse o mesmo com o petista se quisesse salvar a sua empresa."

Léo Pinheiro, por determinação de César Mata Pires, começou a explodir no colo de Lula. O impeachment de Dilma Rousseff parece iminente.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

SERÁ QUE O THE ECONOMIST "É COXINHA?"

The Economist: Dilma não governa mais. 
(Folha) A impopularidade da presidente Dilma Rousseff virou notícia da revista inglesa "The Economist", segundo a qual a petista, apesar de ainda permanecer no Planalto, não está mais no poder. De acordo com a publicação, não é mais Dilma ou o PT que toma as decisões do governo. A reportagem cita, por exemplo, que a condução da economia está nas mãos do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, descrito como um economista treinado na escola liberal de Chicago, com perfil agressivamente voltado para a responsabilidade fiscal.

Já o controle do Congresso está nas mãos do aliado governista PMDB, ressentido com o PT, que retém o comando dos principais ministérios. A vingança, diz a revista, veio na forma do deputado peemedebista Eduardo Cunha, eleito presidente da Câmara.

"Ele conseguiu a cabeça de quatro ministros em dez semanas de cargo", diz o texto. Trata-se de alusão às demissões de Pepe Vargas, que saiu de Relações Institucionais e foi para Direitos Humanos; Ideli Salvatti, ex-ministra de Direitos Humanos; Cid Gomes, que deixou a Educação após um embate direto com Cunha; e Vinicius Lages, que deixou o Turismo para abrir caminho a Henrique Eduardo Alves, aliado de Cunha.

A reportagem aponta ainda que Dilma, visando se reaproximar do Legislativo, delegou ao seu vice, Michel Temer (PMDB), a articulação política. Para isso, entregou a ele o poder de nomear o segundo escalão do governo.

Até a permanência da presidente no cargo parece incerta, de acordo com o texto. A deterioração da economia, atribuída pela revista aos erros do primeiro mandato, e o escândalo de corrupção na Petrobras acabaram com a popularidade de Dilma. Além de citar os manifestantes, que protestam contra o governo, a "Economist" faz alusão à pesquisa Datafolha de abril, que indicou que 63% da população quer que a presidente sofra um impeachment.

MPF investiga se mulher de Vaccari - e não cunhada - depositou grana para esposa e amiga de chefão petista

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net 
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net


A mulher de uma poderosa figura da cúpula petista teria sido a beneficiária de um depósito de R$ 100 mil reais feito em março deste ano, em uma agência do Bradesco, pela mulher do ex-secretário Nacional de Finanças do PT, João Vaccari Neto. Existe a suspeita que, além da esposa, uma amiga íntima da poderosa petista figura também teve muita grana injetada em sua conta corrente. Caso se confirme, esta será a grande bomba a estourar na Lava Jato.

Os advogados de Marice Correa de Lima protocolaram uma carta em que Giselda Rousie de Lima, mulher do ex-tesoureiro Vaccari, informa que era ela quem estava fazendo os depósitos, nos filmes utilizados como prova pelo Ministério Público Federal. Como o depósito, feito em março deste ano, é um dos que está sob suspeita do MPF, a situação fica ainda mais complicada para a mulher de Vaccari. e mais horrível ainda para o trio suspeito de receber as vantagens...

O Juiz Sérgio Fernando Moro entende que existem provas decorrentes de interceptações telemáticas e indícios de enriquecimento ilícito de Marice, mas que isso será objeto de formulação da acusação, durante o julgamento. Por isso, o juiz da Lava Jato decidiu manter preso João Vaccari Neto e deixar a cunhada Marice em liberdade, por entender que o ex-tesoureiro do PT “tem maior responsabilidade” no esquema de corrupção na Petrobras.

Caso o escândalo se confirme, com prisões bombásticas de outros membros da cúpula do PT, a Presidenta Dilma Rousseff acabará reduzida a menos que 13% do que sobrar do fantasma que assombra o Palácio do Planalto há 13 anos...

Notícia maravilhosa, quando se tem notícia de que o Estado Brasileiro vai torrar R$ 18 milhões dos cofres públicos na construção do "Memorial das greves, em São Bernardo do Campo, para exaltar a lendária figura do mito em decadência Luiz Inácio Lula da Silva.

Leia, abaixo, o artigo de Antônio Ribas Paiva: 

 O Fundo do Poço

CAIXA ECONOMICA DÁ O GOLPE EM PEQUENOS POUPADORES! É O PT EM AÇÃO!!!

Atenção! Bomba!!! Vejam o meu adendum n. 02 na postagem http://alaricotrombeta.blogspot.com.br/2015/03/lula-e-dilma-desesperados-vao-dar-o.html

Postado por AlaricoTrombeta