segunda-feira, 29 de junho de 2015

Bispos dos EUA: Suprema Corte se equivoca ao aprovar o ‘matrimônio gay’ como se equivocou ao aprovar aborto

WASHINGTON DC, 26 Jun. 15 / (ACI).- O Presidente da Conferência de Bispos  Católicos dos Estados Unidos (USCCB), Dom Joseph E. Kurtz, lamentou a falha da Suprema Corte quando pronunciou: “O matrimônio gay é um ‘direito constitucional’. Assim como há 40 anos se equivocou ao abrir as portas ao aborto  no país, hoje a Corte novamente se equivocou”.

Dom Joseph assegurou: “Sem dar importância ao que uma pequena maioria da Suprema Corte possa declarar neste momento da história, a natureza da pessoa humana e o matrimônio permanecem inalterada e inalterável”.

“Assim como a sentença da Suprema Corte no caso Roe vs. Wade em 1973 não resolveu o tema do aborto há 40 anos, a decisão atual não resolve o problema do matrimônio hoje”.

“Nem a decisão da Suprema Corte sobre o aborto nem esta sobre o matrimônio estão enraizados na verdade, por isso ambos eventualmente fracassarão”, assinalou Dom Joseph.

O Presidente da USCCB sublinhou também: “É profundamente imoral e injusto que o governo declare que duas pessoas do mesmo sexo poderão constituir um matrimônio”.

“O único significado de matrimônio como a união entre um homem e uma mulher está inscrito em nossos corpos”, e indicou também que “defender isto é uma dimensão crítica da ‘ecologia integral’ que o Papa Francisco nos exortou a promover”.

“Ordenar uma redefinição do matrimônio em todo o país é um erro trágico que danifica o bem comum e o mais vulnerável entre nós, especialmente as crianças”, advertiu o Prelado.

Dom Kurtz indicou: “Jesus Cristo, com grande amor, ensinou inequivocamente que desde o princípio o matrimônio é a união perpétua entre um homem e uma mulher. Como bispos católicos, seguimos Nosso Senhor e continuaremos ensinando e atuando de acordo a esta verdade”.

“Encorajo os católicos a avançar com fé, esperança e amor: Fé na verdade inalterável do matrimônio, enraizado na imutável natureza da pessoa humana e confirmada por revelação divina; esperança em que estas verdades novamente prevaleçam em nossa sociedade, não só pela sua lógica, mas pela sua grande beleza e manifestação do serviço ao bem comum; e amor por todos nossos vizinhos, inclusive aqueles que nos odeiam ou nos castigariam por nossas convicções religiosas e morais”, disse Dom Kurtz.

Antes de terminar sua mensagem, o Presidente da Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos chamou a todas as pessoas de boa vontade a unir-nos afim de que proclamemos a bondade, a verdade e a beleza do matrimônio como foi corretamente entendido durante milênios”.

“Peço a todos aqueles que estejam no poder e são autoridades para que respeitem a liberdade dada por Deus para buscar, viver e dar testemunho da verdade”, concluiu Dom Kurtz.

Dom Charles Chaput, Arcebispo de Filadélfia, que acolherá em setembro deste ano o Encontro Mundial das Famílias no qual estará presente o Papa Francisco, assinalou: “Não nos surpreende a sentença da Suprema Corte. (...) A surpresa chegará quando as pessoas comuns começarem a experimentar, de primeira mão e penosamente, o impacto da ação de hoje. Sobretudo os que pensavam que sabiam sobre o matrimônio, a vida familiar, nossas leis e nossas instituições sociais”.

Dom Chaput também indicou: “Os erros da Corte Suprema não mudam nada em relação a natureza de homens e mulheres, e a verdade da Obra de Deus”.

“Agora o nosso trabalho é formar ainda mais profundamente as nossas próprias famílias no amor de Deus e reconstruir uma saudável cultura do matrimônio, um casal de cada vez, dos escombros da decisão tomada hoje”, assegurou Dom Charles Chaput.


VERGONHOSO! DILMA SABIA QUE VACCARI ERA LADRÃO!

Estarrecedor o que divulga o Jornal Folha de São Paulo na tarde desse sábado, dia 26 de junho. DILMA VRANA ROUSSEF, candidata a reeleição ao cargo de Presidente do Brasil sabia de todas as falcatruas do PT e de seu tesoureiro, João Vaccari Neto.

” Disse um Ministro à Folha!”

– Em 2014 , Dilma queria descolar a sua campanha da direção do PT e nomeou Edinho Silva como tesoureiro para “blindar” as contas presidenciais. Ele foi uma escolha pessoal da Presidente, que acompanhou de perto as doações da sua campanha.

– Nos bastidores, auxiliares próximos relatam que a Presidente não queria misturar as finanças do Comitê Presidencial com as do PT, POR DESCONFIAR DO MODO COMO JOÃO VACCARI NETO, EX-TESOUREIRO DO PT E PRESO NA OPERAÇÃO LAVA JATO, CONDUZIA AS FINANÇAS DO PARTIDO. 

Postado por Blog do Beto 

sábado, 27 de junho de 2015

A REPORTAGEM-BOMBA DE VEJA: O EMPREITEIRO CONTA TUDO

Renuncie, Dilma! Faça ao menos um bem ao Brasil. Ou aguarde o impeachment, o que vai custar mais caro aos pobres.

A economia vai mal. Muito mal. Mas a política está muito pior. É discutível se a crise econômica piora a política, mas é certo que a crise política piora a economia. É a fraqueza do governo que dá as cartas. Dilma não sabe o que dizer, o que fazer, o que anunciar. E, um ano e três meses depois de iniciada a operação Lava Jato — depois de muitos desacertos, ainda em curso, protagonizados também pela Procuradoria-Geral da República, sob o comando de Rodrigo Janot, e pelo juiz Sergio Moro —, eis que cai a máscara, eis que a verdade se desnuda: UMA VERDADEIRA MÁFIA TOMOU CONTA DO ESTADO BRASILEIRO. E ELA PRECISA SER TIRADA DE LÁ PELA LEI.

Vá à banca mais próxima e adquira um documento: a edição desta semana da revista VEJA. Em 12 páginas, você lerá, no detalhe, como atuou — atua ainda? — a máfia que tomou conta do Brasil e como se construiu o establishment político que nos governa. O empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC e ex-amigo pessoal de Luiz Inácio Lula da Silva, resolveu contar tudo. Ficou preso mais de cinco meses. Só fez o acordo de delação premiada depois de ter deixado a cadeia. ESTE BLOGUEIRO FALASTRÃO, COMO LULA ME CLASSIFICOU NO CONGRESSO DO PT, SENTE-SE, DE ALGUM MODO, VINGADO. Vingado também contra as hostes da desqualificação e do cretinismo da esquerda e da direita burra e desinformada. NÃO HÁ NEM NUNCA HOUVE CARTEL DE EMPREITEIRAS, COMO SEMPRE SUSTENTEI. O QUE SE CRIOU NO BRASIL FOI UMA ESTRUTURA MAFIOSA DE ACHAQUE.

É claro que as empreiteiras praticaram crimes também. Mas não o de formação de cartel. Insistir na tese do cartel CORRESPONDE A NEGAR A ESSÊNCIA DO MODELO QUE NOS GOVERNA.

Leia na íntegra AQUI

sexta-feira, 26 de junho de 2015

São João em Barrocas



Sem dúvida Barrocas realizou o maior São João da Região, bandas como Caciques do Nordeste, Zezinho da Ema e Bonde do Forró fizeram parte da grade.


Foi ao som dos Caciques do Nordeste que a folia começou no dia 23, a poeira subiu ao som de Levanta poeira e Saul não deixou ninguém parado tocando até o raia do dia.



Prata da casa, o grupo musical Vaguinho & Cia requisitado para a maioria dos eventos no município, abriu a noite de shows no dia 24 e animou ‘os pessoá’ no dia do Padroeiro, com um repertório que foi de Aldemário a Gonzagão. Atendendo às expectativas, Bonde do Forró chegou com romantismo e fez os casais dançarem agarradinho. A animação foi ainda maior quando o DJ Maluco fez uma belíssima participação trazendo alguns dos seus grandes sucessos. O músico conhecido nacionalmente fez uma bonita homenagem ao Cantor Sertanejo Cristiano Araújo, vítima de acidente. 


Já era quase duas da manhã, quando Zezinho da Ema e a Banda A Favorita do Brasil iniciou um grande show. Outra vez o forró ecoou na Praça e ninguém conseguiu ficar parado.




Os festejos juninos em Barrocas atraíram para a cidade grande público, mesmo assim não houve registros de violência, mostrando que tanto os barroquenses como os visitantes queriam aproveitar o máximo à festa tradicional, tomando licor, dançando e se divertindo no ritmo das grandes atrações que se apresentaram no Palco de shows.



As Polícias Militar, Civil e a Guarda Municipal trabalharam em parceria, preservando a ordem no circuito.

Realização Prefeitura Municipal de Barrocas, Secretaria de Cultura Esporte e Lazer.

@ Nossa Voz - Fotos Victor Santos




domingo, 21 de junho de 2015

Ex-Presidente LULA pode ser preso a qualquer momento por Sérgio Moro.

Prisões de Sérgio Moro abrem temporada de caça ao               ex-presidente Lula.
Segundo informações ligadas diretamente ao Juiz Sérgio Moro, uma nova operação do Lava-Jato poderá prender o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva

A prisão dos principais executivos das maiores empreiteiras do país sinaliza para que as forças reacionárias abram a temporada de caça ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, conforme mostram as edições dos principais diários da mídia de ultradireita, no país. Colunista do diário conservador carioca O Globo, Ricardo Noblat afirma, em sua coluna deste sábado, que “nunca a investigação sobre a roubalheira na Petrobras chegou tão perto de Lula”.

“Nine’. É assim que o juiz Sérgio Moro se refere a Lula quando está entre amigos. Tem esperança de pegá-lo”, afirma Noblat.

– A essa altura só sei dizer uma coisa. Nunca a investigação sobre a roubalheira na Petrobras chegou tão perto de Lula, com a prisão dos empreiteiros. Principalmente a relações de Lula com Marcelo Odebrecht acenderam uma luz vermelha no governo e no próprio PT. Na medida em que o Marcelo Odebrechet foi feito prisioneiro e pode, eventualmente, até negociar uma delação premiada e contar pelo menos parte do que ele sabe para evitar pegar uma pena maior, no futuro, isso deixa o pessoal do governo e do PT muito assustado – diz ele.

O jornal da Rua Irineu Marinho, no Rio, também cobriu, na véspera, um encontro do ex-presidente com religiosos, no Instituto Lula. Na reunião, segundo o jornal que apoiou a ditadura militar, o ex-presidente teria criticado duramente a presidenta Dilma Rousseff e lançado um diagnóstico:

– Dilma está no volume morto, o PT está abaixo do volume morto, e eu estou no volume morto. Todos estão numa situação muito ruim. E olha que o PT ainda é o melhor partido. Estamos perdendo para nós mesmos.

Na matéria sobre o assunto, o Instituto Lula não faz qualquer menção ao que noticiou o jornal das Organizações Globo mas sua assessoria de imprensa prefere não comentar a matéria. Confrontado com críticas à “acomodação” de governantes e parlamentares petistas, segundo o site do Instituto Lula, o ex-presidente afirmou que é preciso retomar o “sonho petista”.

– Ainda hoje, com todas as notícias negativas contra nós, ainda somos o partido mais popular nas pesquisas. As pessoas sonham que o PT volte a ser o que era, e se existe esse sonho, vamos torná-lo realidade – disse Lula.

Lula, no encontro, teria dito que a atual gestão de Dilma assemelha-se a “um governo de mudos”.

– Aquele gabinete (presidencial) é uma desgraça. Não entra ninguém para dar notícia boa – reclamou.

O líder petista teria creditado ao governo de sua sucessora a crise vivida pelos petistas. e que é “um sacrifício” convencê-la a viajar pelo país e defender seu governo.

Ao citar uma pesquisa interna do partido, que revela a extensão da crise instalada no núcleo da legenda, Lula afirmou que “o momento não está bom” e “o momento é difícil”.

– Acabamos de fazer uma pesquisa em Santo André e São Bernardo, e a nossa rejeição chega a 75%. Entreguei a pesquisa para Dilma, em que nós só temos 7% de bom e ótimo – disse.

O resultado teria chegado ao gabinete da presidenta Dilma:

– Isso não é para você desanimar, não. Isso é para você saber que a gente tem de mudar, que a gente pode se recuperar. E entre o PT, entre eu e você, quem tem mais capacidade de se recuperar é o governo, porque tem iniciativa, tem recurso, tem uma máquina poderosa para poder falar, executar, inaugurar…

Mais de 30 convidados encontro, entre eles o bispo dom Pedro Luiz Stringhini e o ex-ministro Gilberto Carvalho, defenderam a volta do partido volte à prática de representar os trabalhadores. Lula concordou e disse que os petistas trocaram a discussão da política pela do mandato.

A exemplo do que ocorre, hoje, com a Operação Lava Jato, na qual os réus são condenados publicamente antes mesmo do julgamento, durante as investigações sobre a Ação Penal 470, conhecida como ‘mensalão’, o PT somente voltou defender os líderes presos quando começou o julgamento no Supremo.

– Nós começamos a quebrar a cara ao tratar do ‘mensalão’ juridicamente. Então, cada um contratou um advogado. Advogado muito sabido, esperto, famoso, desfilando por aí, falando que a gente ia ganhar na Justiça. E a imprensa condenando. Todo dia tinha uma sentença. Quando chegou o dia do julgamento, o pessoal já estava condenado – teria dito o ex-presidente.

Para Lula, o atual momento vivido pelo PT é ainda mais dramático. Ele diz que há um “mau humor na sociedade”. E que até o ministro do STF Ricardo Lewandowski, “que votou contra (o ‘mensalão’)”, sofreu ofensas. Hoje em dia, disse Lula, quem é hostilizado na rua são os próprios petistas.

Yahoo

sábado, 20 de junho de 2015

Renan e Cunha cobram de Dilma reação à hostilidade contra senadores

Após serem alvo de manifestação, senadores decidem deixar Venezuela
Renan e Cunha cobram de Dilma reação à hostilidade contra senadores

Oito parlamentares desembarcaram na Venezuela nesta quinta-feira.
Membros da comitiva foram cercados depois de chegar a Caracas.

Lucas Salomão, Fernanda Calgaro, Nathalia Passarinho e Filipe Matoso Do G1, em Brasília 

Os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmaram na tarde desta quinta-feira (18) que vão cobrar do governo brasileiro reação ao episódio de hostilidade relatado por senadores que foram à Venezuela. 

Renan disse que irá telefonar para a presidente Dilma Rousseff para cobrar uma reação “altiva” do governo brasileiro contra o episódio relatado pela delegação brasileira na Venezuela

Em visita à Venezuela, senadores brasileiros foram cercados por manifestantes em Caracas, segundo relato do repórter Rodrigo Carvalho, da GloboNews. Por meio das redes sociais, os parlamentares relataram ter tido dificuldades para deixar o aeroporto da capital do país vizinho.

 “Qualquer agressão aos nossos senadores, à nossa delegação, é uma agressão ao Legislativo. Estou telefonando para a presidente e vou cobrar do governo brasileiro uma reação altiva”, afirmou Renan. 

 Renan disse, ainda, que já conversou com o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, que, segundo o senador, o relatou que no mesmo momento em que os senadores chegaram ao país, a polícia venezuelana estava transferindo um preso político o que teria inviabilizado o trajeto tranquilo dos parlamentares. 

“Mas nada disso importa muito. O que importa é o clima de tensão, de intimidação, de ofensa, de agressão. E eu vou cobrar do governo brasileiro. A democracia hoje não tem mais como conviver com essas coisas medievais”, concluiu Renan. 

O G1 entrou em contato com as assessorias do Palácio do Planalto e da Embaixada da Venezuela e não teve resposta até a última atualização desta reportagem. O Itamaraty informou que os senadores foram recebidos na base área pelo embaixador Ruy Carlos Pereira. Em seguida, os parlamentares seguiram em um micro-ônibus e o diplomata, em seu próprio carro. Conforme o Ministério das Relações Exteriores, havia um engarrafamento quando a comissão decidiu retornar ao aeroporto após o incidente. O Itamaraty não tem detalhes sobre o que ocorreu. 

De acordo com a assessoria da pasta, o governo brasileiro "presta apoio" aos senadores, mas não há informações sobre o que será feito. 

O Itamaraty informou, ainda, que aguarda decisão dos parlamentares para dizer o que fará sobre a viagem deles ao país. 

Câmara 

Diante das discussões sobre o episódio dos senadores na Venezuela, a sessão da Câmara foi encerrada e votação das desonerações foi adiada para a próxima terça-feira. 

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que a Casa “não concorda com nenhum tipo de agressão ou retaliação” contra quem quer que seja e que irá se “associar a qualquer tipo de reação”. 

“Eu mesmo fiz gestões diretas para que recebesse os brasileiros da forma adequada”, disse, acrescentando que já falou com o presidente do Senado, Renan Calheiros. “Ele já está tomando as providências, não só emitindo nota, mas já procurou a presidente Dilma”, disse. 

Cunha informou que vai criar uma comissão de deputados para conversar com ministro de Relações Exteriores, Mauro Vieira, sobre os relatos de agressão envolvendo senadores brasileiros que estão em viagem na Venezuela. Após falar por telefone com o ministro, Cunha confirmou que foram jogadas pedras na van que levava os parlamentares a Caracas. 

“Quero relatar a conversa que tive com o chanceler. No engarrafamento, houve militantes de qualquer natureza, que não dá para fazer prejulgamento, que tentaram agredir o ônibus e a proteção policial conseguiu evitar qualquer agressão de natureza mais grave. Claro que episódio dessa natureza provoca uma tensão e a delegação está voltando ao aeroporto com proteção policial aumentada”, contou o presidente da Câmara. 

Cunha também informou que pedirá que o governo brasileiro emita uma nota oficial sobre as agressões ocorridas na Venezuela. “O que solicitamos é que queremos uma posição do governo oficial, emitido em nota e garantia da integridade dos brasileiros que estão na delegação.” 

Moção de repúdio 

Parlamentares da oposição defenderam uma posição mais enfática da Câmara, com a aprovação de uma moção de repúdio e a convocação do ministro de Relações Exteriores. Eduardo Cunha, porém, disse que não convocaria Mauro Vieira, já que a comissão de parlamentares já poderia esclarecer os fatos junto ao ministro. 

O peemedebista disse ainda que aceitaria votar um texto de repúdio à agressão, mas não que trouxesse críticas às autoridades diplomáticas brasileiras. A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) pediu aos colegas que aguardassem a volta da comitiva de deputados com mais informações do Ministério das Relações Exteriores antes de votar a moção de repúdio.

Cunha, no entanto, disse que o fato de ter havido a agressão independe da apuração de culpados. “O fato da agressão é independente da apuração de culpados, tem que ter uma posição do parlamento. Ninguém precisa se associar. O que vou pedir é que seja um texto que reflita a posição do parlamento, que é contra agressão”, afirmou.

Segundo Cunha, os partidos concordaram em não “partidarizar” o texto da moção, mas apenas registrar o fato. No Congresso Nacional, parlamentares repercutiram o episódio. O líder do governo, José Guimarães (PT-CE), informou ao plenário que “é fato o episódio” e relatou as providências tomadas pelo governo brasileiro.

“O Itamaraty já está acionado, o governo brasileiro está tomando todas as providências para garantir a integridade física da delegação brasileira, até porque o governo brasileiro respeita vossas excelências”, disse.

Guimarães disse, ainda, que a Embaixada da Venezuela já foi acionada e que o governo não aceitará qualquer ação que comprometa o direito de ir e vir dos parlamentares brasileiros.


Fonte: http://g1.globo.com/politica/noticia/